Diamante: saiba como explorar esta tecnologia

Que o diamante é conhecido por ser o material mais duro da natureza, isso todos sabem. Com base nesta propriedade, ele é inclusive utilizado para dar polimento à pedras preciosas, perfuração de rochas, restaurar e esculpir dentes, entre outras aplicações. Isto por que, em virtude da sua elevada dureza, não pode ser riscado por nenhum outro mineral ou substância, exceto pelo próprio diamante. A exemplo do diamante natural, o sintético apresenta propriedades físicas e químicas equivalentes, como resistência à corrosão, alto grau de dureza, menor coeficiente de atrito entre os materiais sólidos, maior condutividade térmica e compatibilidade biológica. O Diamante na Odontologia Na odontologia, as primeiras pesquisas realizadas com o diamante em formato de pó aconteceram no início da década de 1950, em preparos de cavidades. Naquela época, foi observado que o método, em conjunto com o ultrassom, era mais indolor que o tradicional e não provocava sangramentos. Esse diamante pode ser obtido naturalmente a partir da mineração, ou sinteticamente por meio da técnica HPHT, sigla em inglês para High Presure, High Temperature (Alta Pressão, Alta Temperatura). No entanto, os benefícios do diamante nesta configuração não são percebidos na odontologia. Esses minúsculos cristais são geralmente “colados” nas brocas com solda galvânica à base de níquel. Ou seja, conforme o uso, estas partículas aglutinadas tendem a se soltar do metal e portanto a durabilidade, compatibilidade biológica e todas as demais propriedades, tornam-se indiferentes nesta aplicação. Em pouco tempo de uso, é a parte metálica da broca que entra em contato direto com a boca dos pacientes.
Imagem 59
Diamante Convencional (pó de diamante)

O Diamante CVD

Por sua vez, a tecnologia CVD, do inglês Chemical Vapor Deposition, permite produzir e crescer uma pedra únicahomogênea e de espessura e granulação pré-determinadas, diretamente na parte ativa da ponta. Em outras palavras, a integridade do diamante e sua alta aderência à haste metálica são garantidas neste método, e com isso agregam à peça todas as vantagens do diamante, aqui já citadas. Essa tecnologia, patenteada internacionalmente, é hoje bastante conhecida por aumentar significativamente a vida útil das pontas, quando comparada às tradicionais.

Os diferenciais, no entanto, não se restringem aos aspectos físicos e químicos. Além da  comprovada durabilidade, a tecnologia do diamante CVD empregada para fins odontológicos, uma exclusividade CVDentus, favorece também a prática e rotina clínica dos profissionais dentistas.

Imagem 60
Diamante CVDentus (pedra única)

Conheça os diferenciais do diamante CVD e agregue aos seus procedimentos

 

  • Não corta tecido mole

Diferente das brocas convencionais, que possui arestas pontiagudas capazes de lesionar gengivas, nervos, vasos e periósteo, o diamante CVD apresenta uma superfície lisa e homogênea que, associada ao movimento de vibração do ultrassom, preservam tecidos moles.

Foto: Dr. Leandro Martins

  • Corta esmalte, dentina, amálgama, resina e osso 

Apesar de não machucar os tecidos moles, o diamante CVD possui a dureza de 95GPa, ou seja, 30x superior ao esmalte do dente e por isso consegue cortar estruturas extremamente rígidas.

  • Precisão

A superfície lisa do diamante CVD, em conjunto com o efeito ultrassônico, permitem tratamentos minimamente invasivos, cirurgias limpas e com maior previsibilidade, dando ao paciente mais conforto e uma recuperação mais rápida.

  • Sem dor em até 70% dos tratamentos 

Um estudo comparou 34 preparos cavitários classe 5, executados 50% com o sistema CVDentus, e 50% com brocas de alta rotação. Os resultados demonstraram que, naqueles em que utilizou-se o sistema CVDentus, não houve danos à membrana pulpo-dentinária e as camadas dos odontoblatos, dentina, pré-dentina e zona celular foram preservadas; já nos casos realizados com brocas diamantadas e alta rotação, todos apresentaram falta da membrana pulpo-dentinária, desarranjo do fluido intratubular e estimulação das terminações nervosas.

  • Eficiência: resultados melhores e riscos minimizados

Algumas razões justificam a eficiência do diamante CVD. Entre eles destaque para o poder de corte das pontas que se mantem igual até o final do seu ciclo de vida, ao contrário das brocas que perdem o corte conforme os grãos se soltam, e também o tempo de procedimentos que são significativamente reduzidos, tanto pelo não uso da anestesia em até 70% dos casos, como também por conferir previsibilidade e agilidade à tratamentos que necessitariam de um maior tempo para execução, em Flapless, por exemplo, um procedimento que levaria 3 meses, agora pode ser realizado no mesmo dia.

Foto: Dr. Florin Cofar

 

  • Melhor acabamento

Outra exclusividade do diamante CVD é a possibilidade controlar a sua rugosidade. Atualmente existem 3 tipos: finos, ultra finos e convencional.

O ultra fino, por sua vez, exerce refinamentos de preparos com excelente qualidade, tornando-o ideal para CAD/CAM e preparos conservadores para próteses, principalmente para lentes. A gengiva do paciente fica intacta e com isso é possível moldar e scannear na mesma sessão.

Foto: Renato Voss Rosa

 

  • Gera menos smear layer

Estudos indicam que a utilização das pontas CVDentus gera uma camada de smear layer menos aderida, ou seja, com um padrão de condicionamento superior da dentina em relação aos preparos convencionas.

E você, já conhecia essa inovação? O que você achou dessa tecnologia? Compartilhe conosco sua opinião nos comentários!

“A CVDVale foi a pioneira na América Latina no desenvolvimento de diamantes-CVD e é a única empresa no mundo que domina a tecnologia de produção de pontas odontológicas com esse material. As matérias-primas empregadas são hidrogênio e gás metano, portanto além de biocompatíveis para o paciente, não agride também o meio ambiente.”

CATEGORIA:

COMPARTILHE:

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on whatsapp

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao usar este site, você concorda com o uso de cookies. Usamos cookies para fornecer a você uma ótima experiência e para ajudar nosso site a funcionar de forma eficaz.